Sentada nesta esplanada, contemplando a transparência deste copo, penso. Penso em como poderia ter sido tudo tão diferente.

E se eu tivesse ido por outro caminho, será que o rumo da minha vida teria sido bem diferente? Certamente que cruzaria com pessoas diferentes, teria feito diferentes amizades, tomado diferentes decisões, enfim, sido uma pessoa diferente?

Por outro lado, rodo o copo e, olho através dele e nada mudou, tudo o que vejo permanece imutável. Será que na vida isso também acontece?

Olho ao redor e as pessoas, animadamente, conversam e riem saboreando as suas bebidas. Despreocupadas e divertidas não parecem questionar os seus rumos. Como gostava de ser uma delas!

Encho, novamente o copo, cruzo as pernas e tento deter uma lágrima que, teimosamente, ameaça sair. Estou só, sinto-me só. O pior de tudo é que não quero companhia. Quero sofrer em silêncio e afundar as mágoas no conteúdo deste copo. Estou revoltada, não acredito na bondade das pessoas, nunca mais quero ser usada e traída.

Recosto-me na cadeira e desejo voltar atrás, ter seguido outro caminho, nunca ter feito parte deste grupo. Usaram-me para poderem subir mais alto, pisaram e rebaixaram-me até quase me destruir…

 

Fortunata Fialho em ”Simplesmente… Histórias”

Brevemente nas livrarias.

 

(imagem retirada da internet)

tristeza

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s