O que sentes está aí à vista no teu silêncio, desaba sobre os meus olhos; Obrigo as palavras ao degredo, não as consigo dizer. Ainda a nossa sombra a manchar as pedras da calçada, já os nossos corpos exaustos, as mãos esquecidas de nós. Vamos diluindo a pele nas pedras e o dia, quase veludo […]

via Adeus, um instante — apontamentos de babel

Jaewoon U has safely established himself as one of THE landscape photographers to follow in the 500px community. With a following of nearly 13K and almost 4 Million photo views to his profile, it makes you wonder what he’s doing right. And while it would impossible to break all of it down in a single […]

via “Reflected Landscapes”. — Old Guv Legends

Violência.

Por toda a comunicação social imperam as notícias sobre casos de violência.

Hoje o pais A atacou o pais B. O marido matou a mulher e, por vezes, os filhos. A mulher que assassinou o marido. O aluno que persegue o colega mais fraco. Os pais que espancaram um professor. Um atentado no local x…

Tanta violência por todo o lado.

Que mundo assustador é este em que vivemos?

Qual o legado que estamos a construir para os nossos descendentes?

Neste momento parece que o caminho para a resolução dos problemas passa sempre pela ignorância, pela violência, raramente pelo diálogo.

Assiste-se a uma progressiva e assustadora falta de valores.

No meu cotidiano laboral deparo-me, cada vez mais, com crianças e adolescentes nada tolerantes. Agridem e humilham quem não possui os seus parâmetros. Hoje batem num por ser de cor diferente, amanhã humilham outro por não ser elegante ou bonito, rebaixam aqueles que não usam roupas de marca, gozam com o telemóvel doutro por não ser da última geração, riem-se do colega que tira boas notas na escola…

Por vezes, as suas atitudes são fruto da sua educação, outras das influências dos amigos, outras ainda pelo que assistem no seu dia-a-dia.

E aqueles cuja educação se baseia no respeito e tolerância e resolvem seguir os maus exemplos dos outros?

Quando analiso o comportamento dos adultos não posso deixar de pensar que é ai que eles vão beber os exemplos. Por todo o lado se veem adultos mal formados, por vezes até me parecem em maioria, que agridem, ofendem e matam por dá cá aquela palha.

Como poderemos exigir comportamentos tolerantes se ensinamos violência? Como ensinar a ser solidário se só pensamos em nós próprios?

Urgentemente temos que mudar as nossas atitudes. Temos que mostrar atitudes civilizadas, comportamentos tolerantes, respeitar o próximo por aquilo que é como pessoa e não pela sua aparência ou credo.

Acredito que se ajudarem e procurarem dar bons exemplos, lentamente, a atitude dos nossos semelhantes vai melhorar.

Tratem os outros como gostariam de ser tratados.

Respeitem para serem respeitados.

Como diz o velhinho ditado:’ Façam o bem sem olhar a quem’.

Vamos investir todos os esforços numa educação pela não-violência.

 

Fortunata Fialho

(quase, quase nas livrarias)

estudo_capa_completa_simplesmente-historias-2

Chaque matin nos calices assoiffés de tes délices t’espèrent. Chaque matin que tu fais, nous espérons que ton sourire nous irradie de joie. Nous brûlons de passion pour toi !!! Fort heureusement de l’eau versée par une main bienveillante rafraîchit les baisers de feu, que toi, notre vénéré dieu, déverses sans compter sur nos pétales. Nous t’embrassons (Zic) du […]

via Ode à Ra ❣️❣️❣️ — Juliette

PÍLULA COLORIDA! Capazes de aumentar o interesse, E promover bem estar a dois, ativar os relacionamentos Muitos se apresentam como opções Catuaba, ginseng, mel, castanhas, Canela, pimenta, chocolate, gengibre Até uma milagrosa pílula azul surgiu. Há os tradicionais e infalíveis: Beleza, sorriso, alegria, atenção, dedicação… Uma boa conversa e inteligência têm também seu lugar Mas […]

via Pílula colorida  —