António Osório – Camões — Lusografias

Lia-me Camões meu Pai. A tristeza de ambos se juntava, em mim crescia. E a voz, a inalterável mergulhia das palavras procriavam sarmentosos liames. (Basílico a Mãe depunha no lume, a carne com alecrim perfumava). O livro de carneira negra, as letras juntas em oiro: morros, alusões, muros verdentos, o último da vida ouvia. […]

via António Osório – Camões — Lusografias

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s