Olhos tristes.

 

 

Sentada numa esplanada, olhando o infinito, pensamento distante…

Um olhar intenso de quem o desespero se tornou constante.

Olhos lindos sem brilho e com uma tristeza imensa.

Procura algo ou talvez alguém, uma sombra ou uma miragem,

Um amor perdido ou uma recordação dolorosa,

Talvez espere que o tempo mude e o vento lhe devolva a felicidade.

De copo na mão perscrutam a estrada na esperança de um reencontro,

Na esperança de um recuo do tempo que perdido se encontra.

Esta só, irremediavelmente só… o tempo não volta.

Pelo rosto corre uma lágrima… teimosa e insolente lágrima.

Aqueles olhos não podem chorar mais… perderam o brilho… secaram.

Que olhar tão triste e perdido! Talvez um beijo os ilumine!

Mas que boca eles desejam? Quem tem coragem de tentar?

Subitamente a tristeza se acalma e as estrelas neles parecem brilhar.

Pela rua descem crianças, riem e correm, parecem voar.

Voam para os seus braços e, num abraço apertado o rosto lhe vão beijar.

Àqueles olhos tristes, os netos os vieram iluminar.

Aos olhos cintilantes um sorriso radiante se veio juntar.

Pelo rosto deslizam lágrimas… benditas lágrimas de felicidade ímpar.

 

Fortunata Fialho

 

mensagens-para-bisavo-1
Imagem retirada da internet.

Crianças.

escreversonhar

Olhos brilhantes,

Sorrisos marotos.

Risos genuínos,

Amuos constantes.

E as Birrinhas?

Formas de protesto na sua ingenuidade.

Lábios estendidos em beicinhos fofos.

Beijos molhados,

Abraços apertados,

Grandes chi-corações.

Olhos atentos,

Descobrindo o mundo.

Ávidos de novidades e de carinhos.

Chamamentos doces,

Pedindo miminhos.

Basta um sorriso nosso e os olhitos brilham,

Surgem as gargalhadas.

Finalmente o sono e dormem calmamente,

O sono dos inocentes.

Fortunata Fialho em ”Sentidos ao Vento (Momentos)” meu primeiro livro.

Imagem retirada da internet

x435

View original post

“Simplesmente… Histórias”

escreversonhar

O sol brilha, uma deliciosa brisa percorre os campos. Saio e procuro descontrair.

Deitada na relva observo o voo dos pássaros. Que bom seria voar!

Graciosamente interpretam um inebriante bailado … que doce encanto para os meus sentidos.

Contemplando tal beleza adormeço … ou não … talvez esteja acordada e não saiba.

Envolta em raios solares sonho … sonho que voo e as minhas asas cortam o vento.

O calor reconfortante dos raios solares acariciam a minha pele e … danço.

Participo no inebriante bailado e deixo-me levar ao sabor do vento.

Hum … que delicia. Que plenitude de sensações, que doce encantamento.

Entre chilreios as minhas asas movem-se, sou a estrela entre as estrelas.

Uma nuvem cobre o sol … desce sobre mim. Engraçado … que bela nuvem!

A sua presença acaricia, acalma e reconforta. Nela tudo é brilho e luz.

No meu corpo, seminu, sinto uma onda de…

View original post mais 119 palavras

👴 Rosto do tempo. 👵

Olho a fotografia e penso, penso no que transmite ou esconde este rosto tranquilo e belo.

Vejo uma profunda calma de quem já viveu muitas venturas e desventuras,

Cabelos esbranquiçados por terem cedido o colorido para embelezar os dias de quem amou,

Rugas profundas onde estão impressas as memórias que o tempo não conseguiu roubar.

A sua mão segura firmemente as memórias guardadas como tesouros de encantar.

No negro dos seus olhos uma melancolia imensa… uma dor sem fim… solidão…

Saudade da juventude… do tempo em que pensava nunca envelhecer.

Pena dos sonhos sonhados e ainda por realizar, que se esfumaram como castelos no ar.

Dor por não conseguir lutar contra a enfermidade… medo de perder as lembranças…

A sua esposa que tanto o amou perdeu as suas, esqueceu-o a ele e esqueceu a vida.

No leito de morte olhou-o tão profundamente e pronunciou o seu nome.

– Manuel meu grande amor, obrigado por cada dia, cada minuto… por me Amares. E ele ganhou o céu.

Um olhar através das vidraças na dolorosa espera dos filhos que nunca chegam,

Dos netos que gostaria de acarinhar e abraçar como quando eram crianças.

Lembra as brincadeiras no jardim e os doces dados às escondidas dos pais,

O sorriso matreiro e cúmplice segredo selado por um riso puro e cristalino de criança.

Vejo doçura, paixão, ternura… um porto de abrigo… os meus avôs…

Vejo os abraços apertados que tantas vezes me consolaram e acarinharam.

Vejo o passado, o presente e o futuro de cada um de nós…

Idoso triunfante e vitorioso na inglória luta contra a solidão e a morte.

 

Fortunata Fialho

 

😊”Poesia Cores”😊

escreversonhar

Nestas páginas que escrevo deixo a minha alma. Escrevo o que sinto, o que desejo, o que me alegra, me entristece e me consola.

Escrevo sem medos e sem reservas.

Escrever transporta-me para um mundo só meu, um mundo sem regras, um universo muito meu onde tudo é possível e onde não existe censura, dor, tristeza… escuridão.

As letras dançam criando histórias de encantar ou de assustar… sei lá. Nas páginas surgem duendes, fadas, príncipes, princesas, ogres… homens, mulheres, crianças… animais.

Paisagens desfilam pelas páginas, riachos percorrem as linhas, mares transbordam de sonhos e realidades.

Mundos coloridos surgem como por milagre.

Sonhos e desejos são expressos em palavras simples e modestas.

Cascatas coloridas surgem envoltas em bruma e magia.

Por todo o lado as palavras dançam e traçam paisagens de encantar.

Palavras feias quebram-se e reconstroem-se belas e leves como o sonho ou como o, ingénuo, balbuciar de uma criança.

View original post mais 118 palavras

❔❕ Inevitável.❕❔

Tanto tempo a calar o que se desconfia

Com medo que o som o torne real.

Evitar pensar no óbvio tornando cegos os sentidos.

Desejar todos os dias que não seja verdade

Na tentativa vã de adiar o inevitável.

Quando as nossas desconfianças se concretizam.

Simplesmente não queremos acreditar e questionamos:

Porque é que alguém se atreveu a verbalizar?

Sem querer acordar para a realidade

Desejamos ter sido um sonho

E que ao acordar tudo volte ao normal.

Agora cala-se o que se sente e tenta-se aceitar a realidade.

 

Fortunata Fialho

 

2264_frases-facebook-beleza-sabedoria-silencio

Um Mundo Melhor

escreversonhar

Uns destes dias bateram-me à porta.

Era um grupo de pessoas de uma qualquer

Religião, da qual já não me lembro.

Fizeram-me uma pergunta na qual fiquei a

Pensar: “Será Possível um Mundo Melhor?”

Para eles era simples: Deus tinha que intervir.

Para mim também parece ser simples,

Mesmo muito simples.

É necessário que ninguém ligue a cores de pele,

Que as religiões se respeitem mutuamente,

Que não interesse o saldo bancário.

É necessário que cada um se respeite e respeite os outros.

Teremos que nos apoiar e, assim, criar um mundo melhor.

Então se me parece assim tão fácil,

Porque é que tudo continua na mesma?

Porque se continuam a matar?

Porque se sentem alguns superiores a todos os outros?

Vamos educar os nossos filhos no respeito e na tolerância.

Se continuarmos assim durante algumas gerações,

Talvez, então, tenhamos um mundo melhor.

Só quero ser feliz.

Quero acordar com…

View original post mais 109 palavras