🐶 Fúria.🐶

Durante a minha infância ofereceram um cãozinho a um dos meus tios.

Um cão sem raça definida, como o povo diz, um rafeirinho.

Não me lembro da origem do nome, só me lembro que se chamava Fúria.

A casa, da minha avó materna, ganhou outro elemento ruidoso e traquinas, como se não bastassem já os netos a provocarem as maiores confusões pela casa fora.

Fúria era um cachorro simpático e amigo das nossas loucas brincadeiras. Com ele passámos bons momentos e partilhámos grandes tropelias.

Foi o grande amigo da nossa infância.

Era um prazer ver cão e netos em brincadeiras sem fim, risotas gerais e latidos de satisfação. Pobre Fúria, não tinha descanso.

Fúria foi crescendo e nós também.

O meu tio casou e mudou-se, o cão permaneceu em casa da minha avó.

Entretanto mudei-me para a cidade e os meus primos, tal como eu, foram crescendo. As brincadeiras foram diminuindo e o cão ficando mais tranquilo.

Um dia recebi uma terrível notícia, a minha avó (que eu julgava eterna) tinha falecido.

Uma grande tristeza instalou-se nos nossos corações. Ela não estava doente, a sua morte foi imprevista e prematura.

Foi o funeral e o cão acompanhou o corpo até à sua última morada.

No dia seguinte, do Fúria não existia nem rasto. Os meus tios procuraram mas ninguém o conseguiu encontrar, simplesmente tinha desaparecido.

Um dia alguém disse que estava deitado na sepultura da minha avó. Como tinham passado alguns dias o seu estado era lastimoso.

A minha tia Maria foi buscá-lo e teve de o transportar ao colo. Deu-lhe de comer diretamente na boca pois, recusava-se a ingerir qualquer coisa.

Com tanta dedicação, da nova dona, recuperou as forças e, novamente desapareceu.

Desconfiando do paradeiro, a minha tia foi ao cemitério. Lá estava novamente deitado, imóvel, no mesmo sítio. Novamente só saiu da campa ao colo, era uma dó de alma ver o seu sofrimento, parecia ir morrer de tanta saudade.

Durante várias vezes desapareceu e foi recuperado, as saudades da dona continuavam a ser tantas que ele queria continuar a sentir a sua presença. Só ali se sentia bem, parecia que queria morrer também.

A luta e carinho da minha tia foram tão grandes que finalmente o cão ganhou gosto pela vida. Compreendeu que o amor da nova dona era tão grande, ou maior do que aquele que tinha perdido.

Dava vontade de dizer que viveu feliz e amado para sempre o que foi uma quase verdade.

O Fúria acabou por morrer de velhice e acarinhado por toda a família.

Grande tia Maria que conseguiu o milagre que já não se considerava possível.

Quando ouço dizer que os animais não têm sentimentos eu lembro o Fúria e digo:

РT̻m sim, e mais profundos e verdadeiros do que muita gente.

Tenho saudades deste cão verdadeiramente amigo.

Como eu gostaria que, a totalidade das pessoas fossem como ele, que amassem sem limites, que dessem tudo sem querer nada em troca enfim, que fossem genuinamente bons e puros.

 

Fortunata Fialho

 

estudo_capa_completa_simplesmente historias (2)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s