Rosa saudade.

A tarde já vai longa e o sol necessita de descansar.

Lenta e tristemente tenta esconder-se.

Um vermelho intenso projeta-se da terra,

É o sol que se incendeia rabugento.

O sono tira-lhe o bom humor… refila.

O sono começa a vencer e o seu humor acalma.

Dos olhos semicerrados saem raios menos intensos.

O vermelho esbate-se tornando-se cada vez mais pálido.

Por vezes um raio intenso foge sorrateiramente,

Beija as nuvens que o cercam e, elas…

Ai! Elas coram de timidez e suspiram.

Recusam assumir a paixão que sentem… não podem.

Há muito que se apaixonaram pelo seu intenso brilho,

Quantas vezes sobem e dissimuladamente

Abraçam-no nem toque suave de alvo algodão doce.

O sol finge não perceber e… retribui.

Com receio de as queimar retrai-se.

O seu amor é impossível…

 Os momentos de ternura serão sempre fugazes.

O sol adormece e, no horizonte, surge uma luz rosa.

Rosa pálida encantadora, tranquila e repousante.

É o sol sonhando com o seu amor impossível.

Um amor que nunca poderá concretizar.

A tristeza invade-o e o seu corpo adormecido…

Projeta um encantador rosa… saudade.

Fortunata Fialho.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s