Vida estupida…

escreversonhar

Vida estupida… ou o estúpido sou eu? Como pude ser tão crédulo, tão ingénuo? Traído, sozinho, humilhado, derrotado… idiota… procurando conforto no conteúdo de um copo. No que foi que me tornei? Estou só, irremediavelmente só, um eterno não amado. Não confio nem quero voltar a confiar. Bolas… ninguém merece.

– Desculpe, pode encher novamente o copo?

Quero deixar de sentir, quero deixar de pensar.

– Ei, tu aí bola de pelo insignificante, quem te deixou subir? Que queres do meu colo?

Sai, pulguento duma figa!

– Não me olhes assim.

Não sais. Que olhar triste! Também te abandonaram?

– Ui, que cheiro! Há quanto tempo não tomas banho?

Lambes a minha mão com tanto carinho, aninhas-te no meu colo em busca de conforto e quem se sente reconfortado sou eu. Percebeste a minha tristeza pois parece ser igual à tua. Pobre abandonado, também tu és um não amado em…

View original post mais 143 palavras

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s