Cobardia…

Cobardia, tanta cobardia.

Um cobarde mata, viola, persegue, ofende…

Um cobarde culpa os outros dos seus próprios erros.

Um cobarde esconde-se da própria cobardia.

Cobardemente usa os outros como bem entende.

Apelida de cobarde todos os que o enfrentam.

Um cobarde usa e fomenta a guerra,

Esconde-se na retaguarda e envia outros para a morte.

Idolatra a violência e o fanatismo.

Incita à violência e manipula sem nunca dar a cara.

 

Cobardia é descarregar em alguém as nossas próprias frustrações.

Cobardia é não assumir os erros, não dialogar e, muito menos, ouvir.

Cobardia é não olhar em frente e, apesar do medo, avançar.

Cobardia é viver sem tentar… sem arriscar…

Fugir do mundo… isolar-se…

Cobardia é fingir-se surdo, cego e mudo para não ter de reagir.

Cobardia é não tentar mudar o mundo.

 

Fim à cobardia… viva a coragem!

Usem o medo com fonte de poder e… vençam.

Timidamente protejam, ajudem, incentivem…

Terminem com as guerras… deixem que o amor e a paz permaneçam.

Timidamente transformem-se em coragem.

Com medo sejamos corajosos… vençamos a cobardia…

Transformem o mundo… dialoguem… interajam…

 

Fortunata Fialho

les Jolies images de chris. betty oca;a

 

Viver e aprender.

Na minha casa, todos tem noções musicais. Só eu que de música, nada sei. Porém, aprendi sobre como surgiu o tão famoso “Do-Ré-Mi-Fá-Sol-La-Si” e quero compartilhar, de tão interessante que achei! As notas musicais surgiram do monge beneditino Guido d’Arezzo, no século XI. Ele se inspirou em um Hino a São João Batista, que houvera sido […]

via – Como surgiram as Notas Musicais — DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Solidariedade, uma qualidade a premiar.

Rede informal de apoio começou num grupo na rede social Facebook e já conseguiu casa, mobília, roupas, alimentos e um part-time para António, um sem-abrigo que vive há dois anos em Guimarães. Solidariedade mudou a vida deste homem em apenas seis dias. É um homem de poucas palavras e ainda não sabe como agradecer o […]

via António vai sair da rua graças a um grupo no Facebook — Duas Caras

Rir, mais uma “Simplesmente… Histórias”

Rirmos juntas foi tão bom… rir de felicidade… rir de verdade.

Sim ri, e em casa todos ouviram e riram também. Rimos… que bom!

Quero rir sempre assim, hoje… amanhã… sempre… rir, sim só rir…

Quero secar meus olhos, fechar esta cascata, triste e sombria.

Tenho que sorrir, deixar o sol entrar, secar estas lágrimas de sangue.

Quero ser feliz, quero acalmar minha dor, quero… ser feliz.

Meu Deus como quero, como tento… já consigo rir por entre as lágrimas.

Como seria bem mais fácil se pudesse ser novamente criança.

 

Fortunata Fialho

Template Convites - Feira do Livro 2017_Fortunata Fialho (1)