Sol. 🎀 “Sentidos ao Vento (Momentos)”

Raios de luz, plenos de alegria.

Tempo risonho, alegria nos corações.

Campos floridos.

Quadros naturais que o sol pinta de cores de

Sonho.

O sol brilha, cantam os pássaros,

Coaxam as rãs, brincam os animais…

Ai quem me dera deitar-me na erva,

Sonhar acordada,

Ler um bom livro,

Caminhar sem rumo,

Absorver os aromas e banhar-me de luz.

Sol, fonte de vida,

Luz dos meus olhos,

Renovador de corações,

Criador de romances,

Fonte de amores.

Sol … campo … praia … férias.

Fortunata Fialho

Anúncios

Tinta. 💐 “Quero um poema…”

Contente um fio de tinta corre,

Pelo caminho o seu rasto conta histórias.

Já percorreu tantos caminhos,

Escreveu tantas cartas de amantes,

Guardou segredos e desejos inconfessáveis.

Marcou encontros, desencontros e até viagens.

Escreveu histórias, romances, tragédias…

Fez as delícias das crianças com os seus contos de fadas.

Pintou reinos encantados e coloriu sorrisos nos rostos.

Borrou, muitas vezes, a escrita mas continuou.

Aproveitou cada borrão e criou arte.

Preencheu telas de pintores e cadernos de crianças.

Pintou morais e foi voz da revolta.

Protestou em imagens transformando-as em palavras.

(…)

Fortunata Fialho

Simplesmente mais uma de “Simplesmente… Histórias”

O sol brilha, uma deliciosa brisa percorre os campos. Saio e procuro descontrair.

Deitada na relva observo o voo dos pássaros. Que bom seria voar!

Graciosamente interpretam um inebriante bailado … que doce encanto para os meus sentidos.

Contemplando tal beleza adormeço … ou não … talvez esteja acordada e não saiba.

Envolta em raios solares sonho … sonho que voo e as minhas asas cortam o vento.

O calor reconfortante dos raios solares, acariciam a minha pele e … danço.

Participo no inebriante bailado e deixo-me levar ao sabor do vento.

Hum … que delicia. Que plenitude de sensações, que doce encantamento.

Entre chilreios as minhas asas movem-se, sou a estrela entre as estrelas.

Uma nuvem cobre o sol … desce sobre mim. Engraçado … que bela nuvem!

A sua presença acaricia, acalma e reconforta. Nela tudo é brilho e luz.

No meu corpo, seminu, sinto uma onda de prazer, deliciosos lábios tocam-no levemente.

A suavidade da seda cobre-me toda a pele, um calor húmido percorre-me.

Envolta em prazer, elevo-me aos céus, flutuo nas asas de Cupido e subo ao Olimpo.

Hum … como é possível tal prazer? O meu corpo estremece, imperam os sentidos.

Em mim não cabe mais prazer e o meu corpo explode numa onda de êxtase.

Lentamente, desço ao meu relvado e uma doce tranquilidade envolve-me.

Obrigado amor, senti, voei … perdi toda a noção de mim.

Não preciso de asas… voei. Contigo aprendi que o sonho é realidade.

Vivo intensamente, sinto intensamente, sonho acordada, sonho contigo …

Agora entendo quando alguém diz: ’’… e nenhuma pele está impedida de voar’’.

Fortunata Fialho

Mundo arco-íris. 😉 “Quero um poema…”

Neste mundo cinzento e sombrio onde impera o medo,

A tristeza parece uma inevitabilidade.

Este mundo arde, explode, polui, destrói…

Distribui lágrimas e sofrimento como se fossem doces.

Um grupo de crianças brinca em torno de uma flor,

Nascida entre os escombros, brilha num vermelho rubro,

Rubro de luz, não de sangue, rubro de vida.

Uma mãozinha toca-lhe ao de leve e, como por magia, outras se lhe juntam.

Subitamente cobrem todos os campos…

(…)

Fortunata Fialho

Melancolia 😏 “Quero um poema…”

Olho pela janela e, de repente, uma rajada de vento agita as árvores.

Algumas gotas de chuva caem, tímidas e quentes, levantando poeira.

Ao longe as árvores cobrem-se de mil tons amarelados,

O verde viçoso e brilhante esconde-se envergonhado.

As folhas entristecem e, numa tentativa vã de desespero, escurecem.

Onde outrora o verde era rei agora o amarelo outonal lidera.

O verde não se deixou derrotar e renasce em cada tronco de árvore,

Em cada pedrinha sombria e até no solo húmido.

Um viçoso musgo cobre de tons esverdeados os mais recônditos lugares.

A chuva cai cada vez com mais intensidade mas isso não importa.

O seu molhar ainda é ligeiramente quente e retemperador.

(…)

Fortunata Fialho

“Simplesmente… Histórias.”

Juntos, tivemos partilha, vida, sonhos, vitórias… bons tempos.

Recordo a tua pele na minha pele, o teu sexo no meu sexo …

Parece que ainda sinto a intensidade dos nossos orgasmos e o êxtase dos nossos sentidos.

Sem limites dediquei-te toda a minha vida, toda a minha essência.

Vivi para os nossos encontros, para a intensidade dos nossos sentidos.

Nos teus braços, esqueci-me de mim … eu não era nada sem ti.

No meio de muitas desculpas, disseste que o nosso tempo se gastou.

Não entendo como se pode gastar o tempo, o meu não se gasta.

Partiste … eu fiquei. Contigo levas-te o nosso tempo e, pensava eu, a minha vida.

Chorei a perda, chorei o abandono, chorei o desamor … chorei o nosso tempo.

Chorei até se me acabarem as lágrimas, e mesmo assim continuei chorando.

Continuo a amar-te mas, finalmente, revivi. Gastou-se o nosso tempo, não a minha vida.

Agora vou viver, talvez encontre outro grande amor… se não encontrar não importa…

Hoje o tempo é meu, finalmente recuperei-o. A minha vida, o meu tempo, já não és tu.

Hoje vou sair e divertir-me, flirtar, rir, amar, sentir o cheiro do mundo,

Escutar os sons da natureza, desfrutar do barulho do silêncio … viver o meu tempo.

Hoje vou obter o orgasmo dos meus sentidos e o êxtase da minha vida.

Hoje vivo o meu tempo, intensa e apaixonadamente. Não tenciono gastá-lo.

Caso se gaste o tempo não vou deixar que se gaste a vida. Vou continuar a viver, a sonhar e a amar.

Vou, eternamente, ser feliz e o tempo será só meu.

Fortunata Fialho

Diziam…

Outrora os velhos diziam, “ Mulher séria não abandona a família “

Outrora as mulheres diziam, “Quem manda é ele”

Outrora o povo dizia, “Entre marido e mulher ninguém meta a colher”

E as pessoas não falavam do suplício em que viviam.

Tinham vergonha e assumiam tudo como sendo o destino.

E o destino manipulava, manietava e maltratava.

O futuro não existia, o presente era imutável.

E uma mulher disse, “Vou quebrar as amarras”

E muitas mulheres a seguiram lutando.

O povo criticou, hostilizou e disse, “ Desenvergonhadas”

Elas fingiram não ouvir e continuaram.

Os homens assustaram-se e tentaram pará-las.

Então um disse, “ Ganharam o meu respeito”

E a ele outros se juntaram e novamente coabitaram.

E o povo disse, “Os tempos estão mudados” e tiveram medo.

Mulheres e homens, num tempo de mudança, evoluíram.

As crianças cresceram e aprenderam o respeito mútuo.

Nas casas predomina harmonia e respeito.

E o mundo disse, “Fim com a violência doméstica”

E as autoridades tiveram de agir.

E o mundo exigiu, “ Que se respeite todo o ser humano”

E alguns assustaram-se e disseram, “No meu tempo é que era bom”

E o mundo respondeu, “Os tempos mudaram e todos somos iguais”

E eu, que sou mulher, digo, “Ninguém me irá inferiorizar”

Fortunata Fialho

“Simplesmente… Histórias.”

Ultimamente tenho visto ódio, destruição, indiferença e maldade.

Pessoas a usarem o meu nome para manipular, segregar, inferiorizar, …

Nunca mandei olhar a cores, sexos ou contas bancárias.

Não mandei castrar, matar ou humilhar.

Em que nome abusam e violam mulheres e crianças? Em meu não de certeza.

Porque abandonam os idosos e os indefesos?

Estão a matar rápida e impiedosamente o planeta … esquecem que morrerão com ele.

Parem … amem e protejam. Respeitem e ajudem.

Obtenham orgasmos físicos e intelectuais. Vivam com prazer e no prazer.

Não esqueçam: os orgasmos são bem melhores quando partilhados.

Amem… Amem a natureza, o próximo e, sobretudo, a vós próprios.

Obtenham o máximo de prazer … proporcionem o máximo de prazer.

Todo o filho deverá surgir do amor e êxtase … foi assim que vos concebi.

Como todo o pai só quero a vossa felicidade.

Sejam felizes e façam feliz, toda a humanidade.

Não esperem que alguém comece, comecem vocês primeiro, terão sempre seguidores.

Protejam o planeta e curem as suas chagas. Protejam a vida.

Se alguém vos quiser incutir ódio, ensinar a magoar, humilhar,…

Nunca, mas mesmo nunca, acreditem que é em meu nome.

Eu sou amor, vocês são amor. Amem e sejam felizes.

Fortunata Fialho

Olhos tristes. 👒 “Quero um poema…”

Sentada numa esplanada, olhando o infinito, pensamento distante…

Um olhar intenso de quem o desespero se tornou constante.

Olhos lindos sem brilho e com uma tristeza imensa.

Procura algo ou talvez alguém, uma sombra ou uma miragem,

Um amor perdido ou uma recordação dolorosa,

Talvez espere que o tempo mude e o vento lhe devolva a felicidade.

De copo na mão perscruta a estrada na esperança de um reencontro,

Na esperança de um recuo do tempo que perdido se encontra.

Está só, irremediavelmente só… o tempo não volta.

Pelo rosto corre uma lágrima… teimosa e insolente lágrima.

(…)

Fortunata Fialho